Embalagens de doces viram acessórios únicos e sofisticados

Nas mãos de Olga Abadi, as embalagens de doces são transformadas em bolsas, carteiras e acessórios. O trabalho com esse tipo de resíduo começou em 2003 quando fez as primeiras  peças em pequena escala e criou a Nahui Ollin.

Os acessórios de Abadi são feitos a partir de uma técnica de artesanato maia antiga que ela aprendeu durante um festival cultural no México. Olga reconheceu que ela não só poderia produzir produtos eco-friendly usando o manejo artesanal como também criar itens únicos.

A marca hoje emprega mais de 1.700 artesãos individuais que fazem cada item à mão a partir de papel reciclado e reciclável. Cada bolsa é feita com até quatro mil embalagens de doces e pode levar até quatro dias para ser concluído.

Fonte: Earth 911
Imagens: Reprodução

Empresa brasileira desenvolve colchões de garrafas PET

Imagina dormir sobre um colchão macio que utilizou flocos de garrafas PET como preenchimento? Esta novidade vai ser possível em breve: uma empresa brasileira criou um sistema chamado PETFOM, que utilizas PET na confecção do produto.

Depois de coletadas e lavadas, as garrafas são transformadas em flocos que substituem o feltro e a espuma usados nos modelos convencionais. Um colchão de casal utiliza-se aproximadamente 1260 garrafas. A troca permitiu a otimização de custos e recursos, sem alterar o conforto e tornando o colchão 100% reciclável. Caso alguém precise descarta-lo, as fibras também podem ser reaproveitadas.

colchao de garrafas PET 4

Fonte: Natura Ekos
Imagem: Pollobarba via Compfight cc

Empresa lança copo ecofriendly para café

Feito de vidro 100% reciclável e livre de BPA, o copo da empresa australiana Joco foi projetado para oferecer uma solução sustentável na hora de tomar o seu café. A ideia é substituir os copinhos descartáveis por um artigo duradouro.

Segundo o site do produto, anualmente mais de 2.250 milhões de copos de papel são usados ​​em todo o mundo. Os números representam 50 milhões de árvores cortadas a cada ano por uma questão de conveniência.

Se você está acostumado a beber seu café em xícaras, os copos da Joco foram certificados por um barista. O design foi projetado em formato circular, que puxa todo o açúcar e qualquer outro aditivo para o centro do copo para que eles se dissolvam melhor. Que tal?

Imagem: Divulgação

Carteira Tetra Pak

Caixas de leite vazias e retalhos de tecidos viram carteiras práticas e charmosas. Aprenda como fazer:

Material

- 1 caixa de leite vazia e limpa
- 1 pedaço de manta acrílica (de 25 x 35 cm)
- 2 pedaços de tecido estampado (de 25 x 35 cm cada)
- 1 m de viés preto
- Botão grande
- 30 cm de elástico redondo e preto
- Cola instantânea
- Cola para tecido
- Cola branca
-Tesoura
- Linha branca
- Agulha grossa

Passo a passo

Abra a caixa de leite e limpe-a bem. Passe cola branca no lado colorido da caixa e grude a manta acrílica. Espere secar por cerca de 20 minutos. Com a cola de tecido, grude um pedaço do pano estampado por cima da manta acrílica e outro do lado prateado. Corte as sobras, deixando o pano e a manta bem rentes à caixa. Dobre tudo no sentido do maior lado do retângulo, sem marcar muito. Arredonde as pontas de apenas um dos lados. Abra o retângulo novamente. Agora dobre a peça no sentido do lado menor. Forme a bolsa, deixando duas partes do mesmo tamanho e a ponta arredondada por cima. Costure as laterais das partes de tamanho igual. É aqui que seus pertences serão guardados, por isso deixe bem preso. No centro da parte arredondada, faça um furo com a tesoura. Use a cola de tecido para arrematar as bordas com o viés preto. Passe as duas pontas do elástico dentro do furo. Faça um nó grosso do lado de dentro. Para aderir melhor, use cola instantânea. Do outro lado, costure um botão grande em cima do furo do elástico. Se quiser, fixe-o melhor com cola.

Fonte: M de Mulher
Imagens: Divulgação

Artista usa material reciclado para construir casas de pássaros

Na correria da vida urbana há detalhes que muitas vezes passam despercebidos. E de repente um dia você percebe que os pássaros que viviam ao redor de sua casa já não cantam mais, e que algumas plantas foram cortadas ou que a casa da frente está prestes a ser demolida.

Com o intuito fazer uma reflexão sobre o espaço que estamos deixando nos centros urbanos para as aves, o artista “Dambo” Thomas Winther tem espalhado casas de pássaros feitas de material reciclado nestes locais.

O projeto, chamado de Happy City Birds (Cidade dos Pássaros Felizes, em português), foi inspirado nos próprios pássaros, que são ótimos recicladores e reaproveitam galhos, fibras e até mesmo peças de lixo para fazer os ninhos.

Dambo começou a construir as casas em 2008, na Dinamarca, e instalou 250 apenas com materiais doados e descartados. Desde então não parou mais. Hoje, o artista dá aulas em oficinas e eventos para ensinar as pessoas como construir os abrigos para as aves.

[imagebrowser id=26]

Fonte: Natura
Imagens: Divulgação

Carteira eco-friendly ganha estampas de artistas

Com o objetivo de valorizar o conceito das já conhecidas carteiras de papel, a Paperwallet – marca norte-americana que lançou o produto em 2007 – uniu sustentabilidade e arte.

Feita de material 100% reciclável, parte do qual é Tyvek reciclado – produto atóxico que não polui o meio ambiente e não oferece riscos à saúde -, a carteira vai receber a estampa de obras de artistas de todo o mundo. Os consumidores podem escolher o desenho e levar pra casa um pedaço de uma arte sem pagar os preços das galerias e, a cada compra, o artista também é beneficiado com uma parte do lucro.

Outra ação eco-friendly da empresa é o Programa de Reciclagem. A ideia garante a reutilização do material de antigas carteiras e beneficia o comprador com um cupom de desconto para a próxima compra. É só enviar o antigo modelo com o endereço de e-mail para receber o crédito. A marca entrega no Brasil.

[imagebrowser id=18]
Imagens: Divulgação

Saco de lixo permite reciclar os resíduos em locais públicos

Uma ideia prática e simples desenvolvida pela Akarchitectes, o Waste Folder é um saco de lixo reciclável resistente a água que permite separar os resíduos de acordo com o material a ser jogado. Dividido em seis partes destacáveis, o uso ideal para este produto é em momentos ao ar livre como piqueniques, parques, churrascos e praias, mas também pode ser carregado na bolsa e usado em qualquer outra ocasião.

Bem compacto, quando dobrado o saquinho fica parecido com uma pasta. No final de tudo ainda é possível reciclar já que é feito de papelão. Excelente conceito.

[imagebrowser id=13]

Imagens: Divulgação

Jardineira de PVC

A casa pode ganhar um colorido especial com uma jardineira nas janelas e muros da casa. Crie a sua usando materiais de baixo custo e recicláveis. Veja o passo a passo da “engenhoca”.

Materiais

1 Cano de PVC
Serra
2 tampas da largura do cano

Modo de fazer:

Imagem: Swami Stream
Projeto cedido por Rodrigo Alves

Duas marcas de mobiliário investem em móveis feitos de papelão

De gramatura espessa e reciclável, o papelão é um material resistente e tem sido usado na criação de um mobiliário sustentável e alternativo. Na tendência, duas marcas brasileiras apostam no uso e criam peças com design inovador a preços acessíveis que podem ser facilmente carregadas e montadas em casa.

No mercado há quatro anos, a 100t foi a pioneira em móveis e acessórios no Brasil. Com cerca de 20 produtos em seu portfólio com preços que variam de R$ 10, um revisteiro, a R$ 190, uma mesa, a marca propõe também a personalização dos objetos – você pode escolher a impressão ou desenho de sua preferência.

Já a Cartone surgiu em 2011, em São Paulo, e sua linha de artigos inclui mesas, bancos e cadeiras para adultos e crianças feitas com matéria-prima certificada pela FSC. O design minimalista, os preços acessíveis e o cuidado artesanal com as peças são uma boa oportunidade de consumir um produto com qualidade, eficiência ambiental e beleza.

As duas marcas produzem artigos que necessitam de pouco espaço para armazenamento e apresentam baixo custo de transporte.

[imagebrowser id=10]

 Imagens: Divulgação

Artista compõe retratos com fitas cassete e de vídeo

O trabalho da artista norte-americana Erika Iris Simmons consiste em usar objetos descartados encontrados em sebos, brechós e casas de antiguidades para criar retratos que conversem com as características dos materiais.

Sua última série, intitulada de “Ghost in the Machine”, é composta de imagens de artistas da música como John Lennon e Bob Dylan e cenas de filmes formados por antigas fitas cassete e de vídeo. Sem a ajuda de tintas ou pigmentos, ela compõe as obras apenas com o manejo dos materiais e com o trabalho de colagem.

As fitas que antes levavam música e filmes são transformadas em cabelos e rostos ainda ligados à sua fita. A intenção é reproduzir aos espectadores uma memória nostálgica dos dispositivos obsoletos que usavam em sua infância.

Além do projeto com música e filme, ela criou séries com materiais como controles de videogame, embalagens de vinhos, cartas de baralhos e ingressos de shows. Todos usados como inspiração para as colagens com linguagem de pop art e conceito guiado pela reciclagem e reutilização de materiais.

As gravuras das obras da artista podem ser compradas em seu site.

[imagebrowser id=7]

 Imagens: divulgação